Passar para o Conteúdo Principal

Arquitetos e Engenheiros galegos e portugueses envolvidos no projeto da futura travessia pedonal sobre o rio Minho

Reunionpontemi o1 1 980 2500
12 Setembro 2017

A Deputação de Pontevedra, o Município de Vila Nova de Cerveira e o Concello de Tomiño promoveram, esta manhã, um encontro com as ordens de arquitetos e de engenheiros galegos e portugueses, convidando-os a participar no júri do Concurso de Ideias que selecionará a proposta para a futura travessia pedonal sobre o rio Minho, unindo o Parque de Lazer do Castelinho (Vila Nova de Cerveira) e o Espaço Fortaleza (Tomiño). Período para apresentação de propostas já está a decorrer até 23 de outubro.

Para além do Deputado Provincial de Pontevedra, Uxio Benítez, no encontro estiveram presentes o vice-presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira, Vitor Costa, e a alcaldesa de Tomiño, Sandra Gonzalez, assim como o presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Engenheiros de Portugal da Região Norte, Joaquim Poças, o vice-presidente da Ordem dos Arquitetos de Portugal, Daniel Fortuna, o representante do Colexio de Arquitectos de Galicia, Antonio Maroño; e o representante do Colexio de Enxeñeiros, Ricardo Babío; entre outros.

Os representantes destas organizações manifestaram a sua satisfação pelo fato do processo ser conduzido pela fórmula do Concurso de Ideias, de forma a que o projeto final privilegie a adaptação baseada na funcionalidade, singularidade, qualidade e integração, ao invés de optar unicamente pela vertente financeira.

O objetivo é que a imagem da futura Travessia Pedonal sobre o rio Minho seja conhecida na Primavera de 2018. Enquadrado numa das atividades do VISIT_RIO_MINHO apresentado à primeira convocatória do Programa Operativo Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020 Interreg V-A, esta é uma candidatura conjunta da Deputación de Pontevedra com a CIM Alto Minho, os concelhos do norte de Portugal, a Fundação CEER, o Centro Tecnológico do Mar e a Universidade de Vigo, num orçamento total aprovado de 2 milhões de euros, financiado a 75%.